Indicação de livros para fugir da realidade

Indicação de livros para fugir da realidade

Vivemos em momentos difíceis por conta da pandemia do COVID-19 e muitas pessoas preferem se distrair com um bom livro durante o período de isolamento social. Tendo em vista essa ideia de “fuga da realidade”, selecionei os livros abaixo para quem procura uma boa distração em um novo universo.

A maioria dos livros, curiosamente, são nomes de seus personagens principais.

Todos os livros podem ser comprados pelo melhor preço no link especial em cada título. Boa leitura!

  1. Coleção Harry Potter – 7 volumes

Esse clássico de J. K. Rowling faz com que a gente viaje com o Harry, personagem principal, em um mundo mágico paralelo ao nosso. Quem nunca esperou a sua carta de Hogwarts? Haha.

É um livro muito bom para reler também, pois no decorrer no livro, Harry se descobre no mundo novo dos bruxos e acabamos aprendendo as coisas com ele.

2. H.P. Lovecraft – Medo Clássico – Vol. 1 – Myskatonic Edition: O mestre dos mestres para todas as gerações

Esse livro é para aqueles que buscam o “lado negro da força” e curtem uma boa história de terror. Ele reúne uma seleção especial de contos e novelas do autor H. P. Lovecraft, um clássico dos clássicos do terror. Essa edição é muito linda e super trabalhada pela editora DarkSide Books, a primeira editora brasileira dedicada à histórias de terror e fantasia no Brasil.

3. Norwegian Wood

Esse livro foi publicado em 1987 e é o livro que fez Murakami se tornar um ícone. A obra tem como foco a transição da adolescência para a vida adulta por meio de Toru Watanabe, um jovem estudante de teatro que vive em um alojamento estudantil para homens.

Ele se sente muito sozinho do alojamento e começa a estudar cada um de seus companheiros de quarto até que reencontra Naoko, a namorada de Kizuki, um amigo de infância de Toru que cometeu suicídio. Toru e Naoko se aproximam e dividem essa tragédia e problemas psicológicos, em especial de Naoko.

4. Emma

Essa obra é muito bem trabalhada por Jane Austen e o foco é acompanharmos Emma em suas tentativas de formar casais entre seus amigos e conhecidos. Emma Woodhouse, uma mulher de 21 anos com uma grande beleza e super inteligente. Ela é uma mulher independente e rica que vive com o seu pai em Hartfield, interior da Inglaterra perto do vilarejo de Highbury.

O que me deixa muito surpresa nesse livro é o tipo de personagem feminina que Emma representou para a época (foi publicado em 1815), pois ela deixa claro que ela não busca um casamento (a não ser que se apaixone perdidamente), pois é rica e quer fazer companhia para seu pai. Mas, ao fim, Emma se apaixona por George Knightley, um grande amigo seu.

5. Anna Karênina: Romance em oito partes

Um romance clássico de Kiev Tolstói publicado entre 1875 e 1877 e é um clássico do realismo literário. O livro conta a história de Anna Kariênina, uma aristocrata russa, que entra em um caso extra-conjugal com o Conde Vronsky. Anna precisa decidir se irá enfrentar um divórcio com seu esposo Alexey Karenin, mas tal decisão não é fácil devido às pressões que ela pode enfrentar pela sociedade russa czarista. Mas, após uma viagem, ela fica paranóica com a infidelidade de Vronsky e perde o controle.

A obra também descreve a história de Konstantin Levin, um homem que encontra dificuldades para formar uma família.

Book Review: Things Fall Apart – Chinua Achebe (EN)

Book Review: Things Fall Apart – Chinua Achebe (EN)

This review about the novel Things Fall Apart by Chinua Achebe is based on my reading, the historical context of the novel’s publication, and a text by Noshua Amoras de Morais e Silva (reference below in Portuguese).


Chinua Achebe (born on November 16, 1930, in Ogidi, in British Nigeria) was one of the best known African authors of the 20th century. Achebe is best known for his two notable works: Things Fall Apart and There Was a Country – A Personal History of Biafra. The main themes of his works are the prejudice that Western culture has concerning African culture and the effects of the European colonization of Africa.


What I believe is important about the author’s background for the analysis of the book is that Achebe was born in 1930, exactly 30 years before Nigeria’s independence as a British colony in Africa (October 1, 1960). Therefore, Achebe experienced Nigeria under British colonial rule and was brought up in the traditional Igbo culture. The Igbo people are one of the largest ethnic groups in Africa, with the majority of their population located in southern and western Nigeria. According to “Ecos da Leitura” of Tag Livros, there are trace elements of Igbos that date back more than 1500 years.


Things Fall Apart was published in 1958, when Achebe was 28 years old and tells us about the downfall of the Igbo culture after the arrival of European missionaries in Igbo’s land. The book is divided into three parts and its protagonist is a man called Okonkwo.


Okonkwo is a famous fighter of an Igbo community located in Umuofia. He is considered to have a “bad past” due to his dead father’s actions, however, Okonkwo managed to rise within the community. In the first part of the book, Achebe shows us the Igbo culture in several aspects: worship of ancestors, religiosity and even the position of women in the community.


According to Noshua Amoras, the first thing that falls apart for Okonkwo is when a child in the community dies by his gun. Per Igbo’s people’s culture, killing a clansman is a crime against the earth goddess. So, as a punishment, Okonkwo and his family had to move to Mbanta for seven years in exile. Mbanta is the clan of the protagonist’s mother.
In Mbanta, Okonkwo joined the clan leaders and they discussed European missionaries trying to contact other nearby communities and even building churches in their territories. Shortly thereafter, missionaries arrived in Mbanta and asked the referred local leaders for permission to build a church.


The leaders, in order to keep the missionaries away, authorized them to build the Church in land considered to be cursed. But, to make matters worse, the missionaries succeed on this cursed land and Okonkwo’s son Nwoye joins the missionaries.


According to Noshua Amoras, things do fall completely apart for Okonkwo when he returns to Umuofia and realizes that the white men had already settled in and built a church. Thus, Okonkwo lives with the missionaries in his community and notices how his culture was dying with the strengthening and impositions made by the church.


He tries to create a resistance to ban white men from his territory, but this does not work as he realizes that they do not have enough weapons to fight against the missionaries. Also, they consider that fighting against them would be the same to go to war with a part of their clan, as part of it was converted to the Christian religion.

Click to access noshua_amoras_-_notas_sobre_a_obra_o_mundo_se_despedaça_de_chinua_achebe.pdf

Book Review: O Mundo se Despedaça – Chinua Achebe (PT)

Book Review: O Mundo se Despedaça – Chinua Achebe (PT)

“O homem branco é muito esperto. Chegou calma e pacificamente com sua religião. Nós achamos graça nas bobagens deles e permitimos que ficasse em nossa terra. Agora, ele conquistou até nossos irmãos, e o nosso clã já não pode atuar como tal. Ele cortou com uma faca o que nos mantinha unidos, e nós despedaçamos.” (ACHEBE, Chinua, 1958 [2019], p. 198).

Um dos motivos pelos quais eu decidi criar um blog foi o espaço para poder discutir sobre livros. Aqui apresentarei um pouco do livro “O Mundo se Despedaça” de Chinua Achebe com base na leitura feita por mim, contexto histórico da sua publicação e um texto de Noshua Amoras de Morais e Silva (referência abaixo).

Chinua Achebe, nascido em 16 de novembro de 1930 em Ogidi, no Protetorado britânico da Nigéria, foi um dos mais conhecidos autores africanos de todo o século XX. Achebe é mais conhecido por suas duas principais obras: Things Fall Apart (“O Mundo se Despedaça”, em inglês) e There Was a Country – A Personal History of Biafra. Dentre os principais temas de suas obras, estão a depreciação da cultura africana pela cultura eurocentrica e os efeitos da colonização da África pelos europeus, os quais são o foco do livro que iremos analisar mais em frente.

O que acho importante sobre o background do autor para a análise do livro é que Achebe nasceu em 1930, exatamente 30 anos antes da independência da Nigéria como colônia britânica na África (1 de outubro de 1960). Logo, Achebe vivenciou uma Nigéria sob domínio colonial britânico e foi criado na cultura tradicional Igbo.

O povo Igbo é um dos maiores grupos étnicos na Africa, sendo que a maioria de sua população localiza-se no sul e oeste da Nigéria. De acordo com o Ecos da Leitura da Tag Livros, verifica-se que existem vestígios Igbos que datam de mais de 1500 anos.

“O Mundo se Despedaça” foi publicada em 1958, quando Achebe tinha 28 anos, e nos conta um pouco da desintegração da cultura Igbo após a chegada e missionários europeus. O livro é dividido em três partes e tem como protagonista um homem chamado Okonkwo.

Okonkwo é um famoso lutador do povo Igbo em Umuófia, com um passado ruim por conta de seu pai, mas que conseguiu se reerguer dentro da comunidade. Ele é considerado um homem de sucesso dentro da comunidade, pois possui três esposas e uma boa colheita em seu compound. Na primeira parte do livro, Achebe nos mostra com detalhes a cultura do povo Igbo em diversos aspectos: culto aos ancestrais, religiosidade e até a posição da mulher na comunidade.

De acordo com Noshua Amoras, a primeira rachadura do mundo de Okonkwo se dá quando uma criança da comunidade morre pela sua arma, sendo uma grande ofensa aos deuses da terra. Sendo assim, como punição, Okonkwo e sua família tiveram que se mudar para Mbanta por sete anos. Mbanta é o clã da mãe do protagonista.

Em Mbanta, Okonkwo participava das conversas com os líderes da comunidade. Nessas conversas, haviam comentários sobre missionários europeus tentando contato com outras tribos próximas e até construindo igrejas. Pouco tempo depois, os missionários chegaram à Mbanta e pediram permissão os líderes locais para a construção de uma igreja.

Os líderes, para afastar os missionários, autorizaram para que fizessem a Igreja em um local chamado Floresta Maldita, terreno que geralmente fazia com que as pessoas sofressem. E, para piorar a situação, os missionários não sofreram no referido terreno e o filho de Okonkwo, Nwoye, se junta aos missionários.

Segundo Noshua Amoras, o mundo de fato se despedaça para Okonkwo quando ele volta à Umuófia e percebe que o homem branco já havia se instalado no local e construído uma igreja. Assim, Okonkwo convive com os brancos em sua tribo e repara como a sua cultura estava morrendo com o fortalecimento da cultura europeia e imposições feitas pela igreja.

Ele tenta organizar uma resistência para expulsar os homens brancos de seu território, mas tal medida não vai para frente, pois o clã percebe que não tem armas suficientes para guerrear com as armas dos brancos e, não suficiente, guerrear contra os brancos seria a mesma coisa que guerrear com parte de seus irmãos, que acabaram se convertendo para a religião cristã.

Click to access noshua_amoras_-_notas_sobre_a_obra_o_mundo_se_despedaça_de_chinua_achebe.pdf

Book Review: A Pequena Sereia – Louise O’Neill

Book Review: A Pequena Sereia – Louise O’Neill

“Seu pai tem insistido em me chamar de “bruxa”. Este é simplesmente um termo que os homens dão às mulheres que não tem medo deles, às mulheres que se recusam à submissão” (p. 89)

#ad Acesse o link abaixo e garanta o livro no site da Amazon (sempre com os melhores descontos do mercado): A Pequena Sereia e o Reino das Ilusões

Este review possui informações super importantes que podem ser consideradas como spoiler, mas não revelarei o fim da história.

Esse livro é uma releitura da história da Pequena Sereia, que ficou muito famosa por conta do seu filme da Disney. Essa foi a primeira releitura que li e a achei muito boa. Os tópicos abordados por Louise O’Neill são de grande complexidade e ela conseguiu criar um universo novo e atual para o cenário do filme da Disney. Estou utilizando o filme como base, pois não li o conto de Hans Christian Andersen. 

Achei incrível como muitos pontos (até sem sentido) da história original (filme), fazem mais sentido nessa releitura. Nessa versão, a princesa se chama Gaia e as sereias vivem sobre a monarquia absolutista do Rei dos Mares. Nessa monarquia, ele é o dono da verdade e faz uma grande alienação para toda a sua população no sentido de vender a ideia de que é o ser mais poderoso do oceano e que a economia está boa (digo economia, mas no livro há a menção de que existe fome nos arredores do palácio real, fato negado pelo Rei). O Rei dos Mares também mostra uma postura racista (ao meu ver, mais uma vez) e busca uma certa uniformidade na aparência da sua população.

Todos que contestam o Rei dos Mares será penalizado, mas não o livro não demonstrou como tal pena funcionaria. O único exemplo que temos é a morte da mãe da Gaia, então esposa do Rei dos Mares. Mas esse ponto será discutido mais em breve. 

Esse livro tem uma abordagem feminista bastante crítica, pois o reino do pai de Gaia é extremamente machista. O machismo fica evidente no momento em que as mulheres não são autorizadas a emitir opiniões e são limitadas a serem bonitas, apenas. Ainda, o sucessor do reino apenas poderá ser um homem. Os casamentos das filhas do rei são arranjados e os maridos escolhidos pelo próprio rei. De acordo com o seu pai, Gaia estava destinada a casar com um homem idoso, enquanto ela tinha apenas 15 anos. 

Um fato curioso desse universo é de que as meninas “se tornam mulheres” quando fazem quinze anos e são autorizadas a nadar até a superfície, sendo proibido qualquer contato com humanos. Há bastante medo dos humanos, pois acredita-se que a rainha (mãe de Gaia) morreu capturada por eles. Mas depois descobrem que não foi verdade.

Assim que fez quinze anos, Gaia decidiu subir até a superfície e avistou um grupo de jovens adultos (eles tinham cerca de dezoito anos) e se apaixona por um deles. O garoto se chama Oliver e tem uma namorada, o que deixa Gaia bastante decepcionada. Durante um naufrágio do barco em que os jovens estavam, um grupo de sereias que comem humanos (um tipo diferente de sereia, pois essas teriam origem híbrida) pretendiam matar Oliver, mas Gaia impediu sugerindo para que matassem a namorada do rapaz. Assim, Oliver foi o único sobrevivente do naufrágio. 

Bastante decepcionada com o noivado arranjado por seu pai (sendo o noivo um idoso super nojento), ela decide ir até o reino da Bruxa do Mal. Esse reino é relativamente próximo do reino do Rei dos Mares, mas o livro o descreve como um ambiente sombrio e assustador. A bruxa é uma sereia chamada Ceto. Ela é gorda e possui uma calda preta com diversas perólas (o que era considerado como uma ostentação entre as sereias e considerado impróprio pelo rei). 

Gaia pede para que Ceto a torne humana a fim de se livrar dos seus problemas no mar e se casar com Oliver (agora solteiro após a morte de sua namorada causada indiretamente por Gaia). Ceto explica que há renúncias nessa escolha e que a magia não sai de graça, mas mesmo assim Gaia aceita cortar a sua língua (e perder a sua voz) e sentir uma dor insuportável toda vez que andasse com as suas pernas novas. 

Assim que chega à terra firme, ela conhece Oliver e ele se mostra interessado por ela. Ele oferece moradia e a apresenta para sua mãe Eleanor. A Eleanor é uma empresária brilhante que sempre administrou o negócio da família, mas que precisou sempre da presença de seu marido por conta dos investidores machistas que não a ouviam. O marido de Eleanor morreu após se jogar no mar em busca da mãe de Gaia, quando ainda estava viva. Nesse ponto da história que descobrem que o pai do garoto era o motivo pelo qual a mãe da Gaia sempre ia à superfície. 

De todo modo, Gaia vive com Oliver e vê que o rapaz trata a sua mãe de maneira muito má e que ele é bastante mimado. Não suficiente, todos os dias as pernas de Gaia de deformavam cada vez mais e sangravam horrores. Em uma festa, ele troca Gaia por uma cantora chamada Flora e ela se sente traída. Flora tinha a voz de Gaia e ela descobre que a mulher é na verdade Ceto disfarçada. Ceto se disfarçou para salvar Gaia do destino cruel com um homem que não a ama (que a trocou na primeira oportunidade) e que não estaria à sua altura. Ceto não consegue desfazer a magia e sugere outras opções para Gaia, que nunca mais será a mesma…

Indicações para o Dia Nacional dos Livros Infantis

Indicações para o Dia Nacional dos Livros Infantis

Eu sempre fui apaixonada por livros infantis e penso que cada vez mais precisamos aumentar a qualidade dos livros para as crianças, até mesmo com respeito à complexidade que as crianças possuem na sua percepção da realidade.

Fugindo um pouco de estereótipos de livros infantis, pedi a indicação da minha amiga @annaagostini94 no Instagram (super engajada nesse tema) para algumas ideias de livros infantis de boa qualidade!

  1. Pedro e Lua – Odilon Moraes

Este livro conta a história de um menino chamado Pedro, fascinado por pedras e pela Lua. Até que em um belo dia, Pedro tropeça em uma tartaruga e vira amigo dela, pois fica impressionado com a similaridade entre as pedras com a casco da tartaruga. Assim, ele a batiza de “Lua” e nasce uma grande amizade entre os dois.

2. Lá e Aqui – Carolina Moreira e Odilon Moraes

O livro fala sobre a separação dos pais, sob o olhar de uma criança. O tema é tratado de maneira muito delicada e mostra como essa experiência pode ser bastante positiva, mas sem deixar de lado o sofrimento inicial do momento da separação.

3. Aperte Aqui – Hervé Tullet

Este livro traz uma alusão ao universo eletrônico dos tablets e, por isso, é super interativo. O livro tem uma pegada de brincadeira, que começa com o convite para que aperte uma bola e vire a página. Assim que a bola é pressionada, como num passe de mágica, surgem mais bolas na página seguinte, conforme a página anterior foi pressionada.

4. Amoras – Emicida

Nesse planeta, Deus tem tanto nome diferente que, para facilitar, decidiu morar no brilho dos olhos da gente”

Este é um livro que eu li e achei muito bom. É bastante poético e trata da representatividade de meninas negras, enfatizando como o negro é lindo. Além de abordar esse tema muito bonito, ainda fala sobre várias religiões de maneira linda e com respeito às diferenças.

5. O Coração e a Garrafa – Oliver Jeffers

Este livro conta sobre a perda de uma pessoa próxima, nesse caso, a história de uma menina que perde o avô e, cheia de imaginação, decidiu guardar seu coração em uma garrafa. Todavia, chega um determinado momento em que esse coração precisa ser resgatado e é um livro sensível com lindas ilustrações.

6. Milhões de Gatos – Gág Wanda e Nathalia Matsumoto

Este livro premiadíssimo, lançado em 1928, conta a história de um herói que sai em busca do gato mais belo, sendo que este gato poderá trazer felicidade para o seu lar. Essa história traz diversas reflexões muito boas como a definição de beleza e se, de fato, ela traz felicidade.

7. Nós: uma Antologia de Literatura Indígena – Maurício Negro

Eu gosto muito desse livro e até fiz um post sobre ele no Instagram (@thereadingdog). É um livro que conta diversas histórias infantis de diferentes grupos indígenas do Brasil, como os Krenak, Guarani Mbyá, Taurepang e Maraguá. Os povos indígenas existem e resistem há muitos séculos e possuem um enorme conhecimento desprezado pela nossa sociedade eurocêntrica. Nesse sentido, acho que esse livro nos oferece uma perspectiva única de conexão com a natureza.

Meus contos prediletos são “Hariporia, A Origem do Açaí” e “Guaruguá, o Peixe-Boi dos Maraguá”.

8. O Menino Perfeito – Bernat Cormand

Este livro é de temática LGBTQ++ e conta a história de Daniel, um garoto perfeito que atende às expectativas de tudo e todos durante o dia. Entretanto, durante a noite, Daniel revela um grande segredo.

Short Book Review: Love in the Time of Cholera – Gabriel Garcia Marquez

Short Book Review: Love in the Time of Cholera – Gabriel Garcia Marquez

Love in the Time of Cholera by Gabriel García Marquez (“LTOC”) is the best true love story I’ve ever read. I recommend it for everyone interested in romances and also for all the true love believers. It is just amazing and it is a classic magical realist book (of course, as it is written by the genius Gabriel García Marquez). Magic realism is my favorite literary genre and I’d like to show you more information about it.

This literary genre was popularized by Latin American writers in the 1950s. The main characteristic of magic realism is the existence of fantasy elements in the real world. Unlike in fantasy novels, the magical events are presented as ordinary occurrences and the reader accepts the marvelous as normal and common. For example, in LTOC Fermina senses the flesh and blood presence of her dead husband, but then she goes about her day as normally as possible.

The story takes place in Cartagena, Colombia, and it tells the love story of Florentino Ariza and Fermina Daza. Florentino and Fermina fall in love at first sight, but Fermina’s father didn’t accept their relationship and she agrees to marry Dr. Juvenal Urbino, her father’s choice. However, things change after the doctor’s death…

Book Review: The Two Deaths of Quincas Wateryell – Jorge Amado

Book Review: The Two Deaths of Quincas Wateryell – Jorge Amado

The Two Deaths of Quincas Wateryell by Jorge Amado is one of my favorites Brazilian books. This one in the photo is very special for me, because it belongs to my mother, who read it when she was at school.

It tells the story of what happens after the death of Quincas, a man that left this middle-class life and family to become a popular bum living in the slums of Salvador, Bahia. In the beginning of the story, Quincas’ street companions and his old family competes for his memory.

However, after Quincas’s friends are alone with his body, they supposedly hear Quincas talk and share a drink with him, moving the body out of the coffin and taking him out for a night on the town. During that night, Quincas’ friends decided to visit his girlfriend and Quincas himself, dead, gets involved in a fight.

When they finally arrived at a friend’s boat, a loud thunder appears and Quincas yells his last words, throwing himself into the sea and leaving this world in the way he always wanted (his second death).

Short Book Review: Frankenstein – Mary Shelley

Short Book Review: Frankenstein – Mary Shelley

Frankenstein by Mary Shelley, even though it was published in 1818, still concerns very common issues in our society, such as respect for differences, how “knowledge is power”, ethics in technologies and crimes


The story is an old classic and it tells how Victor Frankenstein, a hard-working scientist, gives life to an inanimate body (through unorthodox experiences) believing that such discovery will lead to further scientific advances. However, little did he know that he had created a monster that would get him into trouble


The most fascinating part of the book for me is when Frankenstein (the monster) learns how to communicate by observing a family through the window. He really understands what humans are like (he even read Sorrows of Young Werther by Goethe in order to teach himself how to read) and he is rejected when he tries to contact them, as they were afraid and did not see humanity within the monster itself. The creature believes that it has the right to happiness, as a living creature, and demands that Victor create a female partner like himself