Book Review: “A inquilina de Wildfell Hall” de Anne Brontë

Direito na Literatura, Resenhas

Que livro misterioso foi esse! Anne Brontë nos presenteou com essa obra-prima única e cheia de surpresas. O livro foi publicado em 1848 sob o pseudônimo de Acton Bell e foi um sucesso instantâneo! mas após a morte de Anne, sua irmã Charlotte impediu sua republicação na Inglaterra até 1854.

Tudo estava claro e ordenado até a chegada de uma nova vizinha… Helen Graham, uma jovem viúva que se muda para Wildfell Hall (uma mansão elizabetana) com o seu filho e uma empregada. Pouco se sabe sobre Helen… na verdade, os vizinhos sabem praticamente nada sobre ela. E quanto mais eles tentam descobrir, menos ela revela sobre si, gerando uma insatisfação coletiva e o desejo por fofocas.

As fofocas começam a circular por toda a vizinhança, mas não convencem Gilbert Markham, um jovem fazendeiro da região. Gilbert decide descobrir a verdade sobre essa mulher tão curiosa e acaba se tornando o narrador perfeito!

O livro é escrito no formato de cartas, que Gilbert envia para o seu amigo sobre suas descobertas. Mas o que deixa Helen ser tão misteriosa? Isso só poderá ser respondido ao ler o livro, mas o que choca a população é o quanto Helen quebra as normas sociais de sua época (sua forma de sustento, forma de educar o seu filho, visão sobre casamento, etc).

Até aqui já deu para perceber que o livro trata sobre diversos assuntos e, por isso, acho que é tão profundo e completo. Anne navegou a fundo nas questões de sua época e no que realmente significava ser uma mulher do século XVIII, pois dá para “sentir na pele” muitas das questões que existem até hoje na nossa sociedade (dependência química, violência doméstica, casamento, maternidade, direito das mulheres, etc).

A experiência de ter lido tudo isso na perspectiva de uma mulher da época deixou tudo ainda mais latente e me sinto grata por ter tido a oportunidade de ter lido essa obra de Anne Brontë e o contato com a sua escrita única e envolvente. É completamente diferente do que vemos com outras obras de época e muito mais paupável… muitos risos, apertos, lágrimas e emoção!

É muito cômodo pensarmos que as mulheres não tinham direitos na época e que tudo era “pacífico”… Essa não é a verdade e Anne Brontë desmistifica isso nos mostrando como as mulheres resistiam (cada uma à sua maneira). Lembrando que até a aprovação do Married Women’s Property Act em 1870, uma esposa não tinha existência independente sob a lei inglesa e, portanto, nenhum direito de possuir propriedade ou celebrar contratos separadamente de seu marido, ou processar por divórcio, ou pelo controle e custódia de seus filhos.

Eu gostaria de escrever realmente TUDO o que senti com esse livro, mas quero que mais pessoas leiam e se surpreendam como eu na leitura. Esse livro tem um espaço especial no meu coração e espero que ele também ganhe um no de você que está lendo esse texto. Li o livro em inglês e, para praticar o idioma, acompanhei a leitura com o audiolivro abaixo:

Caso queira conhecer mais sobre o Direito Civil da época, veja o vídeo abaixo ou acesse a página do Livros de Lei no Instagram ou no Spotify.

Onde comprar livros estrangeiros?

Direito na Literatura

Já que estamos no clima de Prime Day, acho interessante dar uma olhada em outros sites também para a compra de livros estrangeiros. Mas por que livros estrangeiros? Eu gosto muito de aprender idiomas e a leitura é fundamental para a minha forma de estudo. Além da minha língua materna, falo também inglês, espanhol e alemão – então as recomendações de sites são feitas com base na minha experiência com esses idiomas.

Amazon: a Amazon Brasil tem muitas opções e preços bastante competitivos (já em reais) para livros em inglês. A entrega costuma a ser super rápida (especialmente se você é Prime), então é sempre a minha primeira opção na busca de uma nova compra. O defeito é que o site é totalmente fora de mão para espanhol e alemão: sem opções e preços caríssimos. 

Waterstones.com: é uma loja britânica com muitas opções. O formato desse site é ótimo (especialmente pq da para rastrear a sua compra)! Recomendo para compras em inglês, espanhol e alemão. O preço está em libras, então precisa ficar com a calculadora perto 👀 o frete é em torno de £12.50 e o prazo pode variar de 7-10 dias úteis. Pode estar sujeito a impostos de importação quando chegar no Brasil. 

Book Depository: esse também é um site britânico que vende uma quantidade enorme de livros do mundo todo. O frete é de graça, mas a entrega não é rastreável e demora para chegar (10-25 dias úteis). É excelente para comprar livros que não tenham na Amazon Brasil, mas o preço não é tão competitivo. 

Todos os links deste post são afiliados.

Book Review: “Pedro Páramo” de Juan Rulfo

Resenhas

A obra “Pedro Páramo” é uma viagem sem volta para um universo mágico mexicano, onde conhecemos a pequena e quente cidade de Comala. Lá acompanhamos a busca de um jovem, Juan Preciado, por seu pai, Pedro Páramo.

Ao chegar em Comala, Juan percebe que todos os moradores da cidade possuem alguma relação com o seu pai. Mas, ao percorrer esse lugar, elementos mágicos se confundem com o real e o leitor se vê mergulhado em uma realidade única em que não há temporalidade e todos os personagens (ainda que estejam ligados) são contraditórios entre si.

Existe um elemento específico que liga os personagens, e que não é apenas o fato de todos conhecerem Pedro Páramo, mas o motivo de estarem condenados a viver em Comala. Esse elemento é o ponto mais interessante da obra, na minha opinião, porque surpreende o leitor e explica o motivo do mergulho – mas que não revelarei aqui, porque não quero estragar a experiência e dar spoilers. Mas fica o mistério!

A estrutura do livro é interessantíssima, pois não existe uma divisão entre os capítulos e ele brinca com a nossa sensação de real e imaginário. Também não há uma sequência temporal dos acontecimentos para os personagens e tampouco para nós, como leitores. Além disso, os acontecimentos não são narrados, o que faz com a gente viva a história da cidade e seus habitantes como se estivéssemos no exato momento em que tudo ocorre e na perspectiva de cada um.

Explico: cada personagem conta a sua história no momento em que ela acontece. Assim, conseguimos viajar no tempo com os personagens, que se contradizem e não são confiáveis.

É uma obra divertida e crítica. Dá para sentir a solidão latino-americana (tão bem explorada por Gabo) de maneira latente e, ao mesmo, se divertir com a realidade única de Comala – uma cidade de pedra, assim como Pedro 😉 

Foi um dos melhores livros que li na vida e espero que você (que chegou até aqui na resenha) se interesse e leia também. É especial, lindo e eterno. Eu o li em espanhol e, para praticar o idioma, recomendo o audiolivro abaixo.

Caso tenha dúvidas de vocabulário, devido ao regionalismo da obra, indico acessar: Página Oficial da RAE, Dicionário de Americanismos e o Dicionário de Espanhol Mexicano.

Book Review: “Ao Farol” de Virgínia Woolf

Resenhas

Ler Virgínia é sempre um desafio para mim e para muitas das pessoas que me acompanham. Para mim é muito difícil compreender e ler um livro dela logo no primeiro contato. Nesse primeiro contato com obras experimentais, já cheguei a ser uma pessoa que “não lia Virgínia Woolf” (o que é totalmente absurdo visto quem sou hoje e como Woolf impacta a minha vida diariamente).

Mas tudo isso mudou após insistir na leitura de “Mrs. Dalloway”. Agora sou apaixonada pelo trabalho de Virgínia e compreendo que preciso de tempo para realmente me engajar na leitura (dar um “click”, na verdade). Geralmente preciso tentar umas duas vezes antes de conseguir mergulhar nas profundidades que Virgínia propõe em suas obras(-primas).

Sinto que “mergulhar” é a palavra certa quando lemos Woolf. Porque me sinto mergulhada em um mar abstrato em aquarela, cheio de cores, cenários e personagens. O narrador sempre tenta me puxar e indicar o caminho para seguir uma certa linearidade, que de linear não tem nada.

Esse mergulho aconteceu de forma bastante intensa durante a leitura de “Ao farol”, que me apresentou diversos desafios. Aliás, a leitura conseguiu fluir para mim na terceira tentativa e também com a ajuda de um audiobook (narrado pela Nicole Kidman, que faz um sotaque britânico horroroso, mas interpreta brilhantemente).

O livro conta sobre as duas visitas que a família Ramsay faz à Escócia, a primeira em 1910 e a segunda em 1920. Não personagens centrais e a narrativa vai navegando entre os pensamentos e percepções de cada membro da família e de seus conhecidos. Assim, Woolf conseguiu explorar as complexidades e ambiguidades do pensamento de cada membro da família – além de nos mostrar as percepções muito individuais que cada um tem do outro.

“Ao Farol” é uma obra inspirada na vida real de Woolf, pois sua família visitava o litoral, onde seu pai alugava um local para ficar com a família. Isso tudo até a morte de sua mãe, que fez com o que o pai de Woolf entrasse em depressão.

Grande parte da genialidade do livro, na minha opinião, é a forma em que ele é escrito – porque não existem diálogos “tradicionais” como vemos nos livros em geral. Todos os acontecimentos ocorrem dentro da mente dos personagens (em conformidade com o movimento modernista que Virgínia fez parte). O livro é curtinho, mas exige bastante tempo para ler e entender (vale várias releituras, por sinal).

Há algumas cenas que ficaram na minha cabeça após a leitura, creio que são as minhas favoritas. Uma delas é quando o Mr. e a Mrs. Ramsay saem para conversar após um jantar com os amigos, porque Woolf consegue intercalar os pensamentos que um tem do outro enquanto os dois conversam. O que eles pensam não necessariamente reflete o que eles dizem ou como eles se posicionam de fato, o que deixa tudo ainda mais factível e interessante para o leitor.

O livro não tem eventos alucinantes, por assim dizer. A verdadeira aventura acontece na complexidade do pensamento de seus personagens. Aliás, os eventos importantes e dramáticos do livro acontecem de maneira leve.

É incrível como Woolf consegue captar a ideia de “não dá para amar alguém 100% do tempo” nos pensamentos de seus personagens. Isso está refletido em outra cena que ficou na minha cabeça, que é a de Lily Briscoe pintando um quadro e como ela lida com um outro personagem (sem spoilers).

A obra é genial e trata sobre diversos assuntos, sendo os principais (para mim) a (i) complexidade da afetividade entre as pessoas; (ii) posição da mulher na sociedade/família; e a (iii) indiferença na qual o tempo passa com relação aos acontecimentos da vida. Eu queria muito falar sobre esse segundo assunto, mas não consegui fazer sem revelar spoilers e preferi não publicar aqui.

Eu super recomendo esse carrossel de personagens e pensamentos que é “Ao Farol”. É uma obra complexa, mas igualmente linda e cheio de significados. Vale ser lida diversas vezes.