Book Review: “Persuasão” de Jane Austen

Book Review: “Persuasão” de Jane Austen

Que delícia começar o ano com Jane Austen! “Persuasão” foi uma leitura bastante diferente comparado com as outras obras da escritora. Foi bastante aprofundado em questões maduras, como o sentimento de solidão, arrependimento e amor até.

A obra foi parcialmente baseada na própria vida de sua autora e consegui me sentir mais próxima ainda da Jane no decorrer da leitura. Pensar que ela pode ter passado por situações parecidas com as da personagem principal fez meu coração apertar um pouco. Mas eu sei que, assim como Anne, Jane era corajosa e destemida.

O livro nos conta um pouco sobre Anne Elliot, uma mulher de 27 anos, que acaba por reencontrar o seu ex-noivo (Capitão Wentworth), agora um oficial da marinha. Eles não haviam ficado juntos pois ele foi considerado como um homem sem tradições e sem conexões familiares importantes. E Anne precisará lidar com a convivência num mesmo ambiente em que seu ex-amado kk.

Nessa leitura conseguimos acompanhar os sentimentos de Anne e o quanto ela é uma personagem acessível. Ela não é exageradamente destemida e ousada como muitas heroínas de Austen… ela é apenas a Anne. Ela é individual, complexa por si mesma e isso basta. Por isso acho que ela é a heroína mais paupável das obras de Jane Austen.

Talvez essa proximidade que criamos com Anne se dá pelo fato de Jane Austen ser a própria inspiração da personagem. Assim, sabemos como realmente uma pessoa comum agiria ou se sentiria nas situações retratadas na obra.

Indico a leitura para todo mundo! Em especial, para aqueles que já conhecem a escritora e podem valorizar essa aproximação que sentimos em “Persuasão”.

Book Review: A Study in Scarlet de Sir Arthur Conan Doyle

Book Review: A Study in Scarlet de Sir Arthur Conan Doyle

Quem nunca ouviu falar do maior detetive de todos os tempos? Duvido muito que não venha a imagem clássica de Sherlock Holmes na sua cabeça quando falamos sobre detetives.

Essa leitura foi o meu primeiro contato com o universo de Sherlock Holmes. Eu, como a grande maioria das pessoas, já tinha uma breve noção de como era Holmes e seu amigo Watson por conta da cultura popular, já que nunca assisti os filmes e séries do universo do detetive (salvo Enola Holmes, mas é uma fanfic e não conta).

Eu fiquei super ansiosa com a leitura e toda hora busquei os traços que “já conhecia” de Holmes no personagem do livro. A leitura é super fluída e o escritor faz percebemos que somos péssimos detetives (nunca teria acertado a solução do crime rs).

Eu não sou a maior fã de romances policiais, mas estou tentando mudar isso! O começo para mim foi difícil e demorei bastante tempo lendo esse livro curto. Preciso ainda de mais obras para pegar o gosto!

A Study in Scarlet (ou “Um estudo em vermelho) é o primeiro livro do universo de Sherlock Holmes e nos conta um pouco sobre o nascimento da amizade do detetive com o Dr. Watson, bem como nos mostra um caso super complexo no qual a Scotland Yard pede a ajuda de Holmes para resolver.

O livro é dividido em duas partes. A primeira é sobre a morte misteriosa de um homem sem ferimentos e cercado de manchas de sangue. Já a segunda parte nos mostra um pouco sobre a vida dos Mórmons na zona rural dos Estados Unidos e os motivos que levaram o assassino a cometer o crime.

Os primeiros e últimos capítulos são barrados pelo Dr. Watson e o mais surpreendente é que Sherlock conseguiu desvendar o crime (isso não é spoiler, né? Porque ele nunca erra) em apenas 3 dias por meio da arte da dedução.

Eu indico essa obra para todo mundo e, principalmente, para os amantes de romances policiais!

Live sobre Direito Civil e Jane Austen

Live sobre Direito Civil e Jane Austen

Pessoal, tudo bem com vocês?

Vim aqui dividir com vocês a participação que fiz em uma live com a Jane Austen Sociedade do Brasil. Foi um prazer conversar com especialistas e dividir um pouco dos meus estudos sobre o Direito na época da Jane Austen.

Espero que vocês gostem! Caso queira acessar os vídeos específicos sobre casamento, divórcio, direito de propriedade e adoção, visite o IGTV do @livrosdelei no Instagram.

Book Review: “Um Teto Todo Seu” de Virgínia Woolf

Book Review: “Um Teto Todo Seu” de Virgínia Woolf

“She lives in you and in me, and in many other women who are not here to-night, for they are washing up the dishes and putting the children to bed. But she lives; for great poets do not die (…) opportunity will come and the dead poet who was Shakespeare’s sister will put on the body which she has so often laid down. Drawing her life from the lives of the unknown who were her forerunners, as her brother did before her, she will be born”.

WOOLF, Virginia. A Room of Ones Own (1929).

Caso tenha interesse na compra da obra, clique no link para compra: Um Teto Todo Seu

A obra se inicia com o questionamento sobre o papel desempenhados pelas mulheres em obras de ficção. Todavia, este ponto segue como uma grande reflexão feminista sobre a questão da mulher na sociedade inglesa e a visão dos próprios homens sobre as mulheres.

Woolf aborda aspectos históricos e sociais na sua análise e a grande conclusão é de que uma mulher deve ter um teto só seu para poder escrever sobre ficção (“a woman must have money and a room of her own if she is to write fiction“). A partir deste ponto, a autora destrincha essa conclusão nos próximos capítulos do livro.

Historicamente, as mulheres foram deixadas a uma situação de extrema pobreza na sociedade (“One cannot think well, love well, sleep well, if one hás not dined well”). Isso se dá na medida em que elas sequer tinham direitos iguais aos dos homens. Esse ponto pode ser melhor explorado nesse vídeo que participei com a Jane Austen – Sociedade do Brasil: https://youtu.be/EpTogYkvcTw

Cumpre ressaltar que na Inglaterra, até 1882, as mulheres tinham os mesmos direitos dados durante a Idade Média. Logo, ela não tinha capacidade jurídica para firmar contratos, não poderia ter propriedades e sequer a própria guarda dos filhos menores. Todos esses direitos eram exclusivos de seus maridos. Além de não terem direito ao recebimento do próprio salário, que era destinado diretamente aos seus maridos.

Uma reflexão super interessante foi a questão das mulheres serem o foco da maioria das obras de literatura escritas por homens (“Have you any notion how many books are written about women in the course of one year? Have you any notion how many are written by men? Are you aware that you are, perhaps, the most discussed animal in the universe?”). As mulheres são vistas como divinas e deusas, mas por que não há um reflexo dessa imagem na sociedade? Principalmente em uma sociedade que as menospreza?

Woolf busca textos de outros autores para entender o que eles falavam sobre as mulheres. Uma parte que achei interessante é a análise que ela faz de livros que deixam claramente que as mulheres são biologicamente inferiores aos homens, e que muitos homens que escrevem sobre isso querem reafirmar a sua superioridade na sociedade e não realizar uma busca científica séria (“Possibly when the professor insisted a little too emphatically upon the inferiority of women, he was concerned not with their inferiority, but with his own superiority” e “If he had written dispassionately about women, had used indisputable proofs to establishment his argument and had shown no trace of wishing that the result should be one thing rather than another, one would not have been angry either”).

Nesse ponto, Woolf sinaliza que o movimento sufragista e o primeiro movimento feminista (contemporâneo de sua época) era um grande gatilho para os homens, pois faz com que eles se questionem de sua suposta superioridade. O machismo faz com que o homem mais medíocre se sinta como um rei perto de uma mulher e os homens machistas necessitam dessa inferioridade feminina para se auto-afirmarem como os homens que a sociedade espera que sejam (“Women have served all these centuries as looking-glasses possessing the magic and delicious power of reflecting the figure of man at twice its natural size” e “That is why Napoleon and Mussolini both insist so emphatically upon the inferiority of women, for if they were not inferior, they would cease to enlarge”).

Ao se questionar dos motivos pelos quais as mulheres não escreveram sobre ficção ou viraram grandes nomes da literatura, Woolf se questiona na situação em que elas viviam. Como eram propriedade de seus pais e maridos, elas nunca tiveram voz e sequer educação para tal. Woolf duvida muito que elas tinham um espaço confortável para escrever suas obras e sequer tempo, pois muitas se casavam antes dos vinte anos de idade e ainda tinham filhos.

Logo, a autora conclui que é impossível, por exemplo, existir uma escritora do mesmo nível de Shakespeare durante o período de Shakespeare. Outro ponto interessante era o quanto desencorajador era para as mulheres se tornarem artistas, o que muda apenas no século XVIII, no qual as mulheres de classe média, como Jane Austen, começaram a escrever.

Mas aí vem outro ponto: por que as mulheres escreviam romances e não poesias ou peças de teatro? Woolf entende que esse fato aconteceu pelo fato das mulheres serem interrompidas o tempo todo durante a escrita de suas obras. Logo, o que escreviam não exigiam um altíssimo grau de concentração.

Outra interessante observação de Woolf é de que Jane Austen e Emily Brontë escreviam como mulheres, sem uma cobrança em busca do “ideal masculino”. Logo, elas escreviam “como mulheres” livres em locais de fala de “mulheres”, o que é um fato revolucionário para a época.

Acredito que também não posso deixar de ressaltar como Woolf aborda a relação que as mulheres tinham umas com as outras na literatura, logo, sobre a rivalidade feminina. A escritora ressalta que existe sororidade e que a literatura seria muito mais rica se tivesse tido grande amizade entre mulheres, assim como tiveram entre os homens (“Suppose, for instance, that men were only represented in literature as the lovers of women, and were never the friends of men, soldiers, dreamers; how few parts in the plays of Shakespeare could be allotted to them; how literature would suffer!”).