Book Review: “A Flecha de Deus” de Chinua Achebe

Resenhas

“Assim como a luz do dia afugenta a escuridão, da mesma forma o homem branco desmanchará todos os nossos costumes”

ACHEBE, Chinua. A Flecha de Deus; Tradução Vera Queiroz da Costa e Silva. São Paulo: Companhia das Letras, 2011 (p. 123). 

“A Flecha de Deus” foi o segundo livro de Chinua Achebe que li (sendo o primeiro “O Mundo se Despedaça”) e achei que deu para mergulhar ainda mais no universo das comunidades originárias da região da Nigéria. Para comprar o livro, segue um link especial de compra na Amazon: A flecha de Deus

Eu achei que “A Flecha de Deus” foi bastante diferente comparado com “O Mundo se Despedaça”, pois existe uma alternância na perspectiva dos colonizadores e de Ezeulu, o sumo sacerdote e líder político de Umuaro (uma aldeia no interior da Nigéria).

A história se passa em Umuaro durante a década de 1920. De acordo com a religião local Igbo, Ezeulu é o representante do Deus Ulu e uma figura super poderosa não apenas na vila, como também em todos os vilarejos vizinhos.

O livro começa com um combate entre Umuaro e Okperi, um vilarejo próximo, que é interrompido pela presença de Winterbottom, um colonizador britânico da região. Ele quebra as armas de ambas as comunidades como um “recado” para que parassem o conflito. Os próprios personagens interpretam como se fosse um “pai parando uma briga entre os filhos”.

Paralelamente, logo após esse acontecimento, surge John Goodcountry, um missionário cristão que tenta converter as populações locais ao cristianismo e afirma que vilarejos perto do Delta do Nilo já haviam se convertido.

Voltando para os protagonistas, ao decorrer da leitura, a gente percebe que Winterbottom fica gravemente doente e que os costumes da região já estavam ficando muito afetados pela presença dos colonizadores. Ezeulu manda o seu filho estudar a religião cristã para entender o seu funcionamento e “entender” o inimigo (que seriam os missionários europeus). Outros personagens africanos que foram adaptados aos costumes britânicos aparecem também.

Todavia, o que ninguém esperava era que Ezeulu é convidado para uma reunião com Winterbottom, na qual o britânico oferece um título para o líder e propõe que ele faça parte da Administração Britânica Colonial. Ezeulu nega o título e fica preso por 20 dias pelos colonizadores. Ao retornar para Umuaro, Ezeulu se depara com uma comunidade sem colher o inhame (alimento base), pois este só deveria ser colhido após uma cerimônia, que não havia ocorrido por depender da presença de Ezeulu (que estava preso).

Mas Ezeulu afirma que não irá realizar tão cedo a cerimônia, em respeito à vontade do Deus Ulu, que queria dar uma “punição” para a aldeia. Os membros importantes da comunidade pediram para que a cerimônia fosse marcada, pois muitas pessoas estavam passando fome, mas Ezeulu não muda a sua posição. Assim, a comunidade culpa Ezeulu pela fome que se espalhou.

John Goodcountry aparece na comunidade e propõe que eles se convertam ao cristianismo para poderem comer os inhames e um tipo de “imunidade” aos deuses africanos por estarem descomprimido Ulu. Muitas pessoas já haviam perdido a fé e enviam os seus filhos para a nova religião.

A frase “Flecha de Deus” é extraída de um provérbio Igbo no qual se diz que uma pessoa, ou às vezes um evento, representa a vontade de Deus. 

Book Review: Things Fall Apart – Chinua Achebe (EN)

Resenhas

This review about the novel Things Fall Apart by Chinua Achebe is based on my reading, the historical context of the novel’s publication, and a text by Noshua Amoras de Morais e Silva (reference below in Portuguese).


Chinua Achebe (born on November 16, 1930, in Ogidi, in British Nigeria) was one of the best known African authors of the 20th century. Achebe is best known for his two notable works: Things Fall Apart and There Was a Country – A Personal History of Biafra. The main themes of his works are the prejudice that Western culture has concerning African culture and the effects of the European colonization of Africa.


What I believe is important about the author’s background for the analysis of the book is that Achebe was born in 1930, exactly 30 years before Nigeria’s independence as a British colony in Africa (October 1, 1960). Therefore, Achebe experienced Nigeria under British colonial rule and was brought up in the traditional Igbo culture. The Igbo people are one of the largest ethnic groups in Africa, with the majority of their population located in southern and western Nigeria. According to “Ecos da Leitura” of Tag Livros, there are trace elements of Igbos that date back more than 1500 years.


Things Fall Apart was published in 1958, when Achebe was 28 years old and tells us about the downfall of the Igbo culture after the arrival of European missionaries in Igbo’s land. The book is divided into three parts and its protagonist is a man called Okonkwo.


Okonkwo is a famous fighter of an Igbo community located in Umuofia. He is considered to have a “bad past” due to his dead father’s actions, however, Okonkwo managed to rise within the community. In the first part of the book, Achebe shows us the Igbo culture in several aspects: worship of ancestors, religiosity and even the position of women in the community.


According to Noshua Amoras, the first thing that falls apart for Okonkwo is when a child in the community dies by his gun. Per Igbo’s people’s culture, killing a clansman is a crime against the earth goddess. So, as a punishment, Okonkwo and his family had to move to Mbanta for seven years in exile. Mbanta is the clan of the protagonist’s mother.
In Mbanta, Okonkwo joined the clan leaders and they discussed European missionaries trying to contact other nearby communities and even building churches in their territories. Shortly thereafter, missionaries arrived in Mbanta and asked the referred local leaders for permission to build a church.


The leaders, in order to keep the missionaries away, authorized them to build the Church in land considered to be cursed. But, to make matters worse, the missionaries succeed on this cursed land and Okonkwo’s son Nwoye joins the missionaries.


According to Noshua Amoras, things do fall completely apart for Okonkwo when he returns to Umuofia and realizes that the white men had already settled in and built a church. Thus, Okonkwo lives with the missionaries in his community and notices how his culture was dying with the strengthening and impositions made by the church.


He tries to create a resistance to ban white men from his territory, but this does not work as he realizes that they do not have enough weapons to fight against the missionaries. Also, they consider that fighting against them would be the same to go to war with a part of their clan, as part of it was converted to the Christian religion.

Clique para acessar o noshua_amoras_-_notas_sobre_a_obra_o_mundo_se_despedaça_de_chinua_achebe.pdf

Book Review: O Mundo se Despedaça – Chinua Achebe (PT)

Resenhas

“O homem branco é muito esperto. Chegou calma e pacificamente com sua religião. Nós achamos graça nas bobagens deles e permitimos que ficasse em nossa terra. Agora, ele conquistou até nossos irmãos, e o nosso clã já não pode atuar como tal. Ele cortou com uma faca o que nos mantinha unidos, e nós despedaçamos.” (ACHEBE, Chinua, 1958 [2019], p. 198).

Um dos motivos pelos quais eu decidi criar um blog foi o espaço para poder discutir sobre livros. Aqui apresentarei um pouco do livro “O Mundo se Despedaça” de Chinua Achebe com base na leitura feita por mim, contexto histórico da sua publicação e um texto de Noshua Amoras de Morais e Silva (referência abaixo).

Chinua Achebe, nascido em 16 de novembro de 1930 em Ogidi, no Protetorado britânico da Nigéria, foi um dos mais conhecidos autores africanos de todo o século XX. Achebe é mais conhecido por suas duas principais obras: Things Fall Apart (“O Mundo se Despedaça”, em inglês) e There Was a Country – A Personal History of Biafra. Dentre os principais temas de suas obras, estão a depreciação da cultura africana pela cultura eurocentrica e os efeitos da colonização da África pelos europeus, os quais são o foco do livro que iremos analisar mais em frente.

O que acho importante sobre o background do autor para a análise do livro é que Achebe nasceu em 1930, exatamente 30 anos antes da independência da Nigéria como colônia britânica na África (1 de outubro de 1960). Logo, Achebe vivenciou uma Nigéria sob domínio colonial britânico e foi criado na cultura tradicional Igbo.

O povo Igbo é um dos maiores grupos étnicos na Africa, sendo que a maioria de sua população localiza-se no sul e oeste da Nigéria. De acordo com o Ecos da Leitura da Tag Livros, verifica-se que existem vestígios Igbos que datam de mais de 1500 anos.

“O Mundo se Despedaça” foi publicada em 1958, quando Achebe tinha 28 anos, e nos conta um pouco da desintegração da cultura Igbo após a chegada e missionários europeus. O livro é dividido em três partes e tem como protagonista um homem chamado Okonkwo.

Okonkwo é um famoso lutador do povo Igbo em Umuófia, com um passado ruim por conta de seu pai, mas que conseguiu se reerguer dentro da comunidade. Ele é considerado um homem de sucesso dentro da comunidade, pois possui três esposas e uma boa colheita em seu compound. Na primeira parte do livro, Achebe nos mostra com detalhes a cultura do povo Igbo em diversos aspectos: culto aos ancestrais, religiosidade e até a posição da mulher na comunidade.

De acordo com Noshua Amoras, a primeira rachadura do mundo de Okonkwo se dá quando uma criança da comunidade morre pela sua arma, sendo uma grande ofensa aos deuses da terra. Sendo assim, como punição, Okonkwo e sua família tiveram que se mudar para Mbanta por sete anos. Mbanta é o clã da mãe do protagonista.

Em Mbanta, Okonkwo participava das conversas com os líderes da comunidade. Nessas conversas, haviam comentários sobre missionários europeus tentando contato com outras tribos próximas e até construindo igrejas. Pouco tempo depois, os missionários chegaram à Mbanta e pediram permissão os líderes locais para a construção de uma igreja.

Os líderes, para afastar os missionários, autorizaram para que fizessem a Igreja em um local chamado Floresta Maldita, terreno que geralmente fazia com que as pessoas sofressem. E, para piorar a situação, os missionários não sofreram no referido terreno e o filho de Okonkwo, Nwoye, se junta aos missionários.

Segundo Noshua Amoras, o mundo de fato se despedaça para Okonkwo quando ele volta à Umuófia e percebe que o homem branco já havia se instalado no local e construído uma igreja. Assim, Okonkwo convive com os brancos em sua tribo e repara como a sua cultura estava morrendo com o fortalecimento da cultura europeia e imposições feitas pela igreja.

Ele tenta organizar uma resistência para expulsar os homens brancos de seu território, mas tal medida não vai para frente, pois o clã percebe que não tem armas suficientes para guerrear com as armas dos brancos e, não suficiente, guerrear contra os brancos seria a mesma coisa que guerrear com parte de seus irmãos, que acabaram se convertendo para a religião cristã.

Clique para acessar o noshua_amoras_-_notas_sobre_a_obra_o_mundo_se_despedaça_de_chinua_achebe.pdf