“O Sol mais Brilhante”, Maternidade e Meio Ambiente

“O Sol mais Brilhante”, Maternidade e Meio Ambiente

“Adia suspirou e se virou para olhar em frente, na direção de Nairóbi. Queria ser como a zebra, levar sua casa com ela, onde quer que fosse, nos próprios poros da pele”.

BENSON, Adrienne. “O Sol mais Brilhante” / Adrienne Benson; tradução Elisa Nazarian – 1 ed. – Rio de Janeiro: Harper Collins, 2020. Página 292.

Hoje preparei uma resenha um pouco diferente para vocês. Como eu já havia dito na página do Instagram (@livrosdelei), o livro “O Sol mais Brilhante” da Adrienne Benson trata sobre dois assuntos muito pertinentes e que impactam diretamente a vida das mulheres: maternidade e meio ambiente.

Aqui falaremos em uma visão geral da obra, sem caracterizar todos os personagens. Caso busque uma visão geral, acesse: https://www.instagram.com/livrosdelei

Caso queira comprar a obra, acesse o link para compra: O Sol Mais Brilhante

  1. Maternidade

A questão da maternidade é muito clara durante o livro todo, pois experimentamos “o que é ser mãe” na perspectiva de quatro mulheres: Jane, Simi, Ruthie e Leona. Todas fazem o seu melhor para serem “as melhores mães” que conseguem, mas são impedidas por diversos fatores. Acredito que essa seja uma perspectiva mais real do que é ser mãe.

Jane é vista como uma boa mãe, mas assombrada pela possibilidade de sua filha ter o diagnóstico de esquizofrenia aguda, assim como o seu irmão teve. Ruthie é mãe de John, pai biológico de Aida, e que enfrenta um grande trauma após a morte de um dos seus filhos, além de sofrer com a doença de Alzheimer.

Simi é uma mulher massai que não consegue ter filhos biológicos, mas tem como maior sonho ser mãe e “adota” Aida, filha biológica de Leona com John. A mãe de Simi, uma figura importante e que molda a personagem, foi uma mulher visionária e que sempre lutou pela educação de sua filha. Infelizmente, devido ao marido violento e que gastava o dinheiro com bebida, ela não conseguiu manter Simi nos estudos. A saída de Simi da escola é parte essencial da pessoa que ela se torna na comunidade quando adulta.

Leona é uma mulher com muitos traumas e problemas sociais devido ao abuso infantil que enfrentou na infância. Tais abusos eram cometidos por seu pai e conhecidos pela sua mãe, o que deixa Leona ainda mais angustiada. O interessante é que conhecemos mais uma perspectiva de maternidade: a própria mãe de Leona se reconhece como uma “mãe ruim” e diz que é reflexo de sua mãe (avó de Leona). Logo, um fluxo de mães/pais ruins que se perpetuou na família.

Assim, como podemos ver, existem vários tipos de maternidade e que são bastante diferentes entre si. Cada tipo com suas inseguranças e realidades próprias. Acredito que essa perspectiva é importante para refletirmos sobre a romantização da maternidade, imposta pela sociedade na vida das mulheres.

2. Meio Ambiente

A questão do meio ambiente foi apresentada de maneira mais sutil, mas impacta a realidade das personagens de maneira econômica e social, em especial na percepção do que é “casa”.

O impacto econômico é muito evidente, pois ele afeta diretamente os Massai e a própria fazenda de Ruthie. De acordo com o próprio livro, sobre a fazenda de Ruthie: “tiveram dois anos de chuvas normais, e depois diversas estações secas como ossos. Estavam condenados desde o começo naquela fazenda; o tempo nunca votou a se estabelecer nos padrões dos quais eles dependiam” (p. 136).

Ainda, é possível ter uma visão geral do que estava ocorrendo no país naquele momento: “as coisas ainda estavam muito ruins, a terra continuava seca e os animais continuavam famintos, mas não havia mais para onde irem, as terras férteis se encolhiam e as terras secas cresciam” (p. 307) e “a seca tinha se estendido por muito tempo, as pessoas diziam. Agora, estava entranhada no Quênia. A população estava faminta. Os animais estavam morrendo. Os shambas, os cultivos familiares dos quais as pessoas dependiam, não passavam de pedras e poeira e, quando a chuva realmente veio, caiu rápido e com força demais para ser absorvida pelo solo nu. Não havia plantas que se agarrassem à água, que a ajudassem a se infiltrar na terra; assim, ela escorreu para longe, sem deixar nada além de rocha vulcânica e calcário, o baixo-ventre da terra, que não podia cultivar nada substancioso” (p. 207).

Outro ponto interessante é a relação que as pessoas possuem com os animais. É muito claro que as hienas são um grande perigo para as pessoas tanto em fazendas quanto em vilarejos originários. Há um medo frequente de crianças serem comidas pelas hienas, fazendo com que as mães até sonhem com o som das risadas do animal.

Todavia, em contraste, os Massai, como povo nômade, sabem exatamente como lidar com grandes felinos e outros animais. Eles e os animais vivem em harmonia na sua comunidade. Tanto que Aida, ao se deparar com um felino grande nos Estados Unidos, sabe exatamente como agir e analisar o animal.

Precisamos notar também a relação que a população tem com o consumo de carne, como é evidenciado na perspectiva de Jane: “a morte no Quênia – na verdade, em toda a África – é comum. Após anos no continente, Jane sabia disso. O gado é levado até o açougueiro e, sem preâmbulos, bem na calçada em frente ao açougue, o pescoço do animal é cortado e a carcaça é pendurada de cabeça para baixo, para que o sangue escorra. Fazer compras em feiras significa caminhar em um chão escorregadio de sangue, por corredores e corredores de cabeças decepadas e corpos sem cabeça, enfileirados em mesas, com moscas lambendo, laconicamente, os olhos vazios e vidrados dos animais mortos” (p. 267).

A natureza também está diretamente ligada com os sentimentos das personagens. Jane faz uma comparação mental linda entre o seu desenvolvimento pessoal e a jardinagem: “levava tempo, ela sabia, para arrancar todas as pragas e preparar o solo. A jardinagem era um processo; era preciso dar um passo de cada vez. Como na gravidez, pensou ou no luto. Poderia levar muito tempo, mas ela faria o jardim florescer” (p. 282).

E Aida faz observações interessantes sobre as diferenças entre o meio ambiente queniano e o estadunidense: “no seu país, a luz envolvia você como uma folha de palmeira. Mantinha-a próxima, mas era dócil. Você podia passar por ela, puxá-la à sua volta e considerá-la um aconchego. Aquela luz nova, aquela luz americana, não olhava para as pessoas que iluminava. Não se movia como a luz queniana, que sempre mudava e se alterava como algo vivo” (p. 295).

Para concluir as percepções ambientais, acho importante destacar a religiosidade. No caso de Simi, ela fez oferendas à uma árvore antiga e bastante popular em sua região. Ela acredita que existe uma relação entre seus deuses e a natureza de maneira bastante direta.

Esse livro é super interessante e indico para todos que buscam uma história maternal e bastante emocionante. Não é um livro que te deixará alegre ou fará rir, mas é uma leitura necessária para entender uma cultura diferente e questões como maternidade.

3 Livros para Conhecer Outras Culturas

3 Livros para Conhecer Outras Culturas

Como já disse, um dos meu focos principais em uma leitura é estudar uma cultura diferente e ver o mundo sob uma nova perspectiva. Assim, selecionei os meus livros prediletos, todos enviados pela Tag Livros, que permitem conhecer uma nova cultura.

Eu assinei o plano de Curadoria da Tag Livros no ano passado e não me arrependi. Gostei bastante da variedade dos livros e do apelo para conhecer diferentes culturas. Hoje sou assinante apenas do plano Inéditos, também da Tag Livros, e estou amando!

Para que não-assinantes interessados pelos livros tenham acesso, deixei em cada título um link para compra do livro (no preço mais barato que encontrei). Infelizmente, os dois últimos só encontrei em inglês (até porque essa é uma das propostas do plano Inéditos, que é ter um livro ainda não lançado no Brasil).

  1. O mundo se despedaça

Esse livro, escrito por Chinua Achebe, é um clássico da literatura nigeriana e já tem sua resenha completa aqui no site! O link está aqui embaixo:

O Mundo se Despedaça

2. Born A Crime: Stories from a South African Childhood (English Edition)

“Nascido do Crime”, em português, é um livro publicado há uns anos atrás pelo comediante Trevor Noah. A obra é excelente para quem busca entender mais sobre a cultura sul africana, em especial durante o período do apartheid. Trata-se uma autobiografia que conta sobre a infância de Trevor Noah, como uma criança mestiça, durante o apartheid – pois as leis do período proibiam a existência de filhos de casais birraciais (o caso de Trevor).

O que mais me admirou no livro foi a história da mãe do Trevor – que sofreu desde o racismo até violência doméstica. Na verdade, acredito que esse livro seja uma homenagem do Trevor para ela. Não encontrei a versão desse livro em português com um preço baixo, então o link desse título te encaminhará para a versão original em inglês (mais barato).

3. Erotic Stories for Punjabi Widows: A hilarious and heartwarming novel (English Edition)

Esse livro de Balli Kaur Jaswal nos dá a oportunidade de mergulhar na maior comunidade Punjabi de Londres, Inglaterra (chamada de Southhall). Nesse livro a gente acaba aprendendo mais sobre a cultura indiana em geral por meio da Nikki, uma garota descendente de indianos que resolve dar aulas de escrita criativa para um grupo de idosas da comunidade de Southhall.

O que Nikki menos esperava era que as senhoras indianas tinham histórias incríveis para contar, principalmente relacionados a contos eróticos que elas criavam oralmente (já que não sabiam escrever). O livro também nos mostra como a comunidade indiana reage aos crimes cometidos contra a mulher em Southhall e abre uma discussão muito importante sobre o tema. Não encontrei a versão desse livro em português com um preço baixo, então o link desse título te encaminhará para a versão original em inglês (mais barato).

Book Review: Os Sonhadores – Karen Thompson Walker

Book Review: Os Sonhadores – Karen Thompson Walker

Este livro é bastante interessante e se encaixa, em muitos aspectos, ao que vivemos durante o isolamento social/quarentena relacionado ao COVID-19. É uma ficção científica escrita pela estadunidense Karen Thompson Walker, publicada em janeiro de 2019.

O livro conta a história de uma cidade chamada Santa Lora, localizada no sudeste do estado da Califórnia, nos Estados Unidos, que é atingida por um vírus que faz com que as pessoas infectadas durmam por um tempo indeterminado. A história acompanha personagens que tinham como contato comum a universidade da cidade, isto é, professores, alunos e um funcionário da limpeza.

Ainda, o livro se enquadra no gênero “romance psicológico”. Esse gênero literário enfatiza na narrativa os motivos íntimos de cada personagem e não se prende aos condicionantes exteriores. Logo, o foco é em comportamentos que saem das memórias do inconsciente para o consciente de cada personagem. Exemplos bastante conhecidos por nós são “Dom Casmurro” de Machado de Assis, “Crime e Castigo” de Dostoievski, “O Morro dos Ventos Uivantes” de Emily Brontë e “São Bernardo” de Graciliano Ramos.

Todos os acontecimentos da história são extremamente bem estudados por Walker, como as medidas médicas a serem tomadas em caso de epidemia e a questão da interpretação dos sonhos. Mas acredito que, dentre os pontos que podem ser melhorados, está a forma com que a história é escrita, pois poderia haver um maior suspense e emoção no decorrer dos acontecimentos, em especial ao tratar dos sonhos de Rebecca com o seu filho.

O enredo começa nos contando um pouco sobre Mei, uma garota que divide seu dormitório na faculdade com a primeira vítima do vírus. Assim, acompanhamos todos os procedimentos de contenção da doença dentro do campus da faculdade por meio do psicológico e acontecimentos da vida de Mei. Paralelamente, existem outras três histórias: (i) Rebecca, uma estudante que contrai o vírus no início de sua gestação; (ii) Thomas Peterson, um funcionário da limpeza da universidade e interessado por teorias conspiratórias, que tenta proteger suas duas filhas Sara e Libby; (iii) Nathaniel, professor de biologia da faculdade, e seu parceiro Henry – que possui um sintoma contraintuitivo ao vírus, pois ele volta a falar após anos em coma; (iv) Ben e Annie, um casal que acaba de se mudar para Santa Lora com a sua filha recém-nascida, após conseguirem uma vaga como professores na universidade; e (v) Catherine, uma médica chamada para estudar o vírus.

A cidade é isolada em uma corrente sanitária e, aos poucos, os cidadãos infectados acordam. Entretanto, ocorre um incêndio no local em que as pessoas infectadas estão internadas, e Mei acaba morrendo por conta do incêndio. Eu interpretei a morte de Mei como a “desvantagem de ser invisível”, pois ninguém acabou lembrando de a socorrer desacordada. Até mesmo o seu amigo, Matthew, salva o bebê recém-nascido de Ben e Annie, mas não se lembra da amiga – o que me fez lembrar também de uma conversa que Mei e Matthew tiveram sobre critérios objetivos de preferência para salvar vidas, como a idade e a saúde. Logo, ele mantém o seu ideal e acaba salvando um bebê – cuja perspectiva de vida é maior que a de Mei.

Cada personagem tem uma reação diferente ao despertar do sono causado pelo vírus. Thomas Peterson sonha com acontecimentos que ele acredita serem premonições, Libby sonha com memórias que nunca viveu com a sua falecida mãe e Rebecca sonha que cuidou de seu filho por 40 anos e que já é avó, o que a faz despertar com a mente de uma senhora. Assim, ao fim do livro, revela-se que todos os que dormiram em Santa Lora, em decorrência do vírus, sonharam com as vidas que eles nunca viveram.