Book Review: “A Flecha de Deus” de Chinua Achebe

Book Review: “A Flecha de Deus” de Chinua Achebe

“Assim como a luz do dia afugenta a escuridão, da mesma forma o homem branco desmanchará todos os nossos costumes”

ACHEBE, Chinua. A Flecha de Deus; Tradução Vera Queiroz da Costa e Silva. São Paulo: Companhia das Letras, 2011 (p. 123). 

“A Flecha de Deus” foi o segundo livro de Chinua Achebe que li (sendo o primeiro “O Mundo se Despedaça”) e achei que deu para mergulhar ainda mais no universo das comunidades originárias da região da Nigéria. Para comprar o livro, segue um link especial de compra na Amazon: A flecha de Deus

Eu achei que “A Flecha de Deus” foi bastante diferente comparado com “O Mundo se Despedaça”, pois existe uma alternância na perspectiva dos colonizadores e de Ezeulu, o sumo sacerdote e líder político de Umuaro (uma aldeia no interior da Nigéria).

A história se passa em Umuaro durante a década de 1920. De acordo com a religião local Igbo, Ezeulu é o representante do Deus Ulu e uma figura super poderosa não apenas na vila, como também em todos os vilarejos vizinhos.

O livro começa com um combate entre Umuaro e Okperi, um vilarejo próximo, que é interrompido pela presença de Winterbottom, um colonizador britânico da região. Ele quebra as armas de ambas as comunidades como um “recado” para que parassem o conflito. Os próprios personagens interpretam como se fosse um “pai parando uma briga entre os filhos”.

Paralelamente, logo após esse acontecimento, surge John Goodcountry, um missionário cristão que tenta converter as populações locais ao cristianismo e afirma que vilarejos perto do Delta do Nilo já haviam se convertido.

Voltando para os protagonistas, ao decorrer da leitura, a gente percebe que Winterbottom fica gravemente doente e que os costumes da região já estavam ficando muito afetados pela presença dos colonizadores. Ezeulu manda o seu filho estudar a religião cristã para entender o seu funcionamento e “entender” o inimigo (que seriam os missionários europeus). Outros personagens africanos que foram adaptados aos costumes britânicos aparecem também.

Todavia, o que ninguém esperava era que Ezeulu é convidado para uma reunião com Winterbottom, na qual o britânico oferece um título para o líder e propõe que ele faça parte da Administração Britânica Colonial. Ezeulu nega o título e fica preso por 20 dias pelos colonizadores. Ao retornar para Umuaro, Ezeulu se depara com uma comunidade sem colher o inhame (alimento base), pois este só deveria ser colhido após uma cerimônia, que não havia ocorrido por depender da presença de Ezeulu (que estava preso).

Mas Ezeulu afirma que não irá realizar tão cedo a cerimônia, em respeito à vontade do Deus Ulu, que queria dar uma “punição” para a aldeia. Os membros importantes da comunidade pediram para que a cerimônia fosse marcada, pois muitas pessoas estavam passando fome, mas Ezeulu não muda a sua posição. Assim, a comunidade culpa Ezeulu pela fome que se espalhou.

John Goodcountry aparece na comunidade e propõe que eles se convertam ao cristianismo para poderem comer os inhames e um tipo de “imunidade” aos deuses africanos por estarem descomprimido Ulu. Muitas pessoas já haviam perdido a fé e enviam os seus filhos para a nova religião.

A frase “Flecha de Deus” é extraída de um provérbio Igbo no qual se diz que uma pessoa, ou às vezes um evento, representa a vontade de Deus. 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.