Book Review: “Gente Pobre” de Fiódor Dostoiévski

Book Review: “Gente Pobre” de Fiódor Dostoiévski

“E depois a gente rica não gosta de ouvir os pobres se queixando de sua má sorte – dizem que incomodam, que são impertinentes! A pobreza é sempre impertinente mesmo – talvez porque seus gemidos famintos lhes perturbem o sono!”

DOSTOIÉVSKI, Fiódor. Gente Pobre – Tradução de Fátima Bianchi. Editora 34. São Paulo, 2020. Página 138.

Queria começar a resenha dizendo que esse é um livro que te faz repensar todos os seus privilégios e que faz com que você sinta a dor e a pobreza dos personagens. Sem contar também a conexão super interessante que Dostoiévski faz com outras obras russas.

Caso queira comprar o livro: https://amzn.to/33WeE3P

“Gente Pobre” foi o livro de estreia de Dostoiévski e já chega com uma proposta bastante diferente do que havia na época. Ele, sempre firme em suas convicções, colocou pessoas pobres como foco do enredo, permitindo que a gente sinta a injustiça social na fala simples de seus personagens principais (Makar Diévuchkin e Varvara Dobrosiólova).

A narrativa é feita no formato de cartas trocadas entre os dois personagens nomeados acima. Ambos são pobres e estão à beira da miséria total (não ter o que comer e onde dormir). Varvara é uma moça jovem e órfã, que possui Makar, um senhor de 50 anos, como único parente mais próximo. O primeiro objetivo nessa troca de cartas é melhorar a escrita de Makar, que estava precária e precisava treinar.

Estão descritas nessas cartas as necessidades e um pouco da rotina dos personagens. Makar dava o pouco de dinheiro que conseguia para Varvara, por meio de presentes simples (como balas), com o objetivo de diminuir o sofrimento da menina que vive na pobreza. Mas ele acabava sem ter roupas para ir trabalhar e vivia sendo chacota de seus colegas de trabalho.

Uma parte que me afetou muito foi a descrição das chacotas que Makar vivia, e que muito pareciam as sofridas pelo protagonista de “O Capote” de Gógol até pelo fato de ambos os personagens serem copiadores de uma repartição pública:
"Para que serve isso? Será que por isso algum leitor vai me comprar um capote? (...) Às vezes você se esconde, se esconde, oculta-se naquilo que não domina, tem medopor vezes de mostrar o nariz seja onde for, porque teme os mexericos, porque, de tudo o que há no mundo, de tudo que lhe armam uma pasquinada, e eis que toda a sua vida civil e familiar anda pela literatura, tudo impresso, lido, ridicularizado, bisbilhotado! (...) pode-se reconhecer um dos nossos só pelo andar" (p. 95).

Outras descrições que me chamam atenção são do local onde vivem, das mortes por doenças e como as crianças reagem frente à pobreza, como, por exemplo, em “Como não gosto Várienka, minha filha, quando vejo uma criança pensativa; é uma coisa desagradável de ver! No chão, ao lado dela, tem uma boneca de pano – mas ela não está brincando” (p. 72).

Makar chega a procurar um agiota para conseguir dinheiro e pagar sua dívidas e alimento. Mas, outra cena que me marcou muito foi quando ele estava prestes a levar um esporro de seu superior, mas o botão de sua camisa sai. O superior começa a notar as roupas de Makar e, em um ato de nobreza, oferece uma boa quantia de dinheiro para ajudar o pobre homem. Makar diz que nunca se sentiu tão especial e digno durante toda a sua vida:

"juro-lhe que os cem rublos não me são tão caros quanto o fato de Sua Excelência em pessoa ter se dignado a apertar-me a mão indigna, a mim, um pulha, um bêbado! (...) Com esse gesto, ressuscitou o meu espírito, tornou minha vida mais doce para sempre" (p.147).

Já Várienka, apesar de toda a dificuldade, tenta se mostrar positiva (“lembre-se que a pobreza não é defeito. Então por que se desesperar: isso tudo é passageiro! Se Deus quiser” p. 125). Mas, como o destino é cruel, a sua única saída é partir para um casamento infeliz com um senhor de classe social superior.